Siga-nos no Facebook

  • w-facebook

Copyright ©: Los autores

                            Reconocimiento – NoComercial – SinObraDerivada (by-nc-nd)

Este documento está sujeto a una licencia de uso Creative Commons 

Atlas de Anatomia Veterinária

Músculos do pescoço, tronco e cauda

Músculos da cauda

Índice de imagens

    A cauda é capaz de realizar diversos movimentos. No caso dos carnívoros, onde os músculos da cauda e seus tendões são bem diferenciados, os movimentos podem atingir certa precisão. Isso acontece porque a cauda possui importantes funções biológicas. Seus movimentos geralmente expressam sentimentos e tornam a cauda como um indicador da conduta social e sexual do animal. A cauda contribui também para estabilizar a coluna vertebral e participa do equilíbrio do tronco. Dependendo do local de origem, os músculos da cauda se classificam em dois grupos, os que se originam da coluna vertebral e os que se originam do coxal (Figura 2.72).

Músculos que se originam nas vértebras
      Esse grupo é formado por músculos longos que se estendem dorsal, lateral e ventralmente ao longo das vértebras caudais (Figura 2.73). Sua origem mais cranial ocorre nas vértebras lombares e no sacro. Muito deles são continuação direta dos longos músculos associados com a coluna vertebral dispostos mais cranialmente.


M. sacrocaudal dorsal medial (Figuras 2.74, 2.75)
    É a continuação caudal do grupo dos músculos multífidos. É formado por inúmeros fascículos que, iniciando na última vértebra lombar, vão surgindo dos processos espinhosos vertebrais sacrais e caudais. Cada fascículo salta sobre várias vértebras e termina se inserindo nos processos mamilares das vértebras dispostas mais cranialmente. Conforme o músculo se aproxima da extremidade da cauda, seus segmentos vão se tornando progressivamente mais curtos e menos desenvolvidos.
    Função: Move a cauda dorsalmente ou, age unilateralmente, levantando para um lado.
    Inervação: Ramos musculares do plexo caudal dorsal.

M. sacrocaudal dorsal lateral (Figuras 2.74, 2.75, 2.77)
    É a continuação caudal do músculo longuíssimo. Origina-se nos processos mamilares das vértebras lombares, nos processos articulares do sacro e nos processos mamilares das primeiras vértebras caudais. O corpo muscular dá origem a numerosos tendões, longos e finos, que vão se inserindo nos processos mamilares das vértebras caudais desde a quinta até a última.
    Função: Move a cauda dorsalmente ou, age unilateralmente, levantando para um lado.
    Inervação: Ramos musculares do plexo caudal dorsal.

M. sacrocaudal ventral medial (Figura 2.76)
   Percorre ventralmente ao longo das vértebras caudais até a extremidade da cauda. Origina-se na superfície ventral das vértebras caudais e se insere nos processos hemais, ou no restante das vértebras dispostas mais caudalmente.
    Função: Abaixa a cauda ou age unilateralmente movendo-a para o lado.
    Inervação: Ramos musculares do plexo caudal ventral.

M. sacrocaudal ventral lateral (Figuras 2.76, 2.77)
    É formado por fascículos que se originam das superfícies ventrais da 7ª vértebra lombar, do sacro e das primeiras vértebras caudais. Seu corpo muscular é formado por numerosos tendões, longos e finos, que vão se inserindo nos processos hemais, ou no restante das vértebras caudais, da sexta até a última. Os tendões de inserção finalizam juntamente com os do músculo sacrocaudal ventral medial.
    Função: Abaixa a cauda ou age unilateralmente movendo-a para o lado.
    Inervação: Ramos musculares do plexo caudal ventral.


M. intertransversal dorsal caudal (Figuras 2.72, 2.74)
    Situa-se dorsalmente aos processos transversos das vértebras caudais. É formado por diversos fascículos que se originam sucessivamente nos ligamentos sacroilíacos dorsais, na crista sacral lateral e nos processos transversos das vértebras caudais. Os fascículos, que vão se tornando progressivamente menores até desaparecerem na metade caudal da cauda, se inserem nos processos transversos de vértebras localizadas mais caudalmente.
    Função: Move a cauda lateralmente.
    Inervação: Ramos musculares do plexo caudal dorsal.

M. intertransversal ventral caudal (Figura 2.72)
    Situa-se ventralmente aos processos transversais caudais. Estende-se desde a terceira vértebra caudal até a extremidade da cauda. É formado por fascículos que se originam nos processos transversos e se inserem nos processos transversos das vértebras mais caudais.
    Função: Move a cauda lateralmente.
    Inervação: Ramos musculares do plexo caudal ventral.

Músculos que se originam no coxal

    Os músculos da cauda que se originam do coxal formam parte da parede que fecha lateral e caudalmente a cavidade pélvica (Figuras 2.72, 2.78, 2.79, 2.80). Por esse motivo, os músculos do grupo (coccígeo e levantador do ânus) são também conhecidos como músculos do diafragma pélvico. Entre o ventre dos músculos de ambos os lados do corpo estão presentes as vísceras pélvicas (parte caudal do reto e canal anal, vagina no caso da fêmea, uretra).

M. coccígeo (Figuras 2.72, 2.80)
    Origina-se na espinha isquiática e se insere nos processos transversos das primeiras vértebras caudais, entre os músculos intertransversos caudais dorsal e ventral.
    Função: Move a cauda lateralmente, se a contração é unilateral, e abaixa a cauda quando a contração é bilateral.
    Inervação: Ramos musculares dos ramos ventrais dos nervos S2 e S3.

M. levantador do ânus (Figuras 2.72, 2.78, 2.80, 2.81)
    O músculo levantador do ânus está disposto medialmente ao músculo coccígeo. Seu corpo, que possui ampla origem, é dividido em duas partes: o m. íliocaudal que se origina na superfície interna do ílio, e o m. pubocaudal, que se origina na superfície interna do púbis e ao longo da sínfise pélvica. O nervo obturador passa entre ambos os corpos musculares (Figura 2.78). A inserção acontece juntamente nos processos hemais das vértebras caudais, entre a 4ª e a 7ª, entretanto algumas de suas fibras finalizam na fáscia que reveste o músculo esfíncter externo do ânus.
    Função: É semelhante à do músculo coccígeo. Auxilia somente para fixar a posição do ânus e comprime o reto e o canal anal durante a defecação.
    Inervação: Ramos musculares dos ramos ventrais dos 2º e 3º nervos sacrais.

Músculos da cauda

M. sacrocaudal dorsal medial (Fig. 2.74, 2.75)

M. sacrocaudal dorsal lateral (Fig. 2.74, 2.75, 2.77)

M. sacrocaudal ventral medial (Fig. 2.76)

M. sacrocaudal ventral lateral (Fig. 2.76, 2.77)

M. intertransversal dorsal caudal (Fig. 2.72, 2.74)

M. intertransversal ventral caudal (Fig. 2.72)

Músculos que se originam no coxal (Fig. 2.72, 2.78, 2.79, 2.80)

M coccígeo (Fig. 2.72, 2.80)

M. levantador do ânus (Fig. 2.72, 2.78, 2.80, 2.81)