Siga-nos no Facebook

  • w-facebook

Copyright ©: Los autores

                            Reconocimiento – NoComercial – SinObraDerivada (by-nc-nd)

Este documento está sujeto a una licencia de uso Creative Commons 

Atlas de Anatomia Veterinária

Músculos faciais

Índice de imagens

Os músculos faciais compartilham a mesma origem embrionária, pois derivam do arco faríngeo II. São inervados por diversos ramos do nervo facial. São os músculos da mímica e da expressão do rosto. Entre outras funções, os músculos faciais participam na manifestação dos estados de ânimo do animal.
Os músculos mais superficiais do grupo são os músculos esfíncter superficial do pescoço, platisma e o m. esfíncter profundo do pescoço. O músculo esfíncter superficial do pescoço, localizado na região laríngea, possui fibras transversais e muito superficiais, que frequentemente estão ligadas a pele. Durante a dissecação é bem mais fácil observar o músculo sobre a pele removida, do que sobre o cadáver. O platisma é muito mais desenvolvido e alcança maior extensão. Suas fibras, dispostas longitudinalmente, revestem parte do rosto e do pescoço (Figura 1.1). Age retraindo caudalmente a comissura dos lábios e movendo a pele da cabeça. O músculo esfíncter profundo do pescoço, que se estende sob o platisma, é formado por uma camada descontínua de fibras dispostas em direção dorsoventral (Figuras 1.1, 1.2
).
Coberto sem maior ou menor grau por esses músculos superficiais, o grupo de músculos faciais inclui também muitos músculos relativamente pequenos que se distribuem em torno da face ou nas proximidades das aberturas naturais. Esses músculos são descritos a seguir e agem sobre os lábios, nariz, pálpebras, pele da região frontal e das orelhas.

Músculos dos lábios e do nariz 

São inervados pelos ramos dorsal e ventral do nervo facial. Os músculos mais importantes do grupo são os seguintes:

M. orbicular da boca (Figura 1.2)
Está incluído nos lábios, que é o seu principal componente. Situa-se formando um anel ao redor da abertura da boca. Quando se contrai fecha a abertura da boca e contribui para a sucção.

M. bucinador (Figuras 1.3, 1.12)
Une o maxilar com a mandíbula, formando a parede lateral da cavidade oral e a base da região da bochecha. Contribui para a mastigação, pois quando se contrai estreita o vestíbulo oral e leva o alimento do vestíbulo até os dentes e a parte central da boca.

M. levantador nasolabial (Figuras 1.1, 1.2)
Une a região nasal dorsal com a asa do nariz e o lábio superior. Dilata a narina e levanta o lábio superior.

M. levantador do lábio superior (Figura 1.4)
Encontra-se revestido pelo músculo levantador nasolabial. Origina-se no osso maxilar, abaixo do forame infraorbital, e se insere na asa do nariz e no lábio superior. Age dilatando a narina e levantando o lábio superior.


M. canino (Figura 1.4)
Dispõe-se ventralmente ao músculo levantador do lábio superior. Sua função é semelhante ao do m. levantador do lábio superior.

M. zigomático (Figuras 1.1, 1.3)
Extende-se entre a cartilagem escutiforme e o ângulo da boca. Direciona caudalmente o ângulo da boca e move rostralmente a cartilagem escutiforme.

Músculos das pálpebras

São inervados pelo ramo palpebral do nervo aurículopalpebral (que por sua vez é um ramo do nervo facial). Os músculos mais importantes do grupo são os seguintes:

M. orbicular do olho (Figuras 1.1, 1.4, 1.5)
Está incluído dentro das pálpebras. Direcionam-se rodeando, como um esfíncter, a abertura palpebral, de forma que quando contrai fecha as pálpebras.

M. retrator do ângulo lateral do olho (Figuras 1.1, 1.4, 1.5)
Esse pequeno músculo se extende lateralmente desde a fáscia temporal até o ângulo lateral do olho. Como o nome indica, sua contração retrai o ângulo lateral.

M. levantador do ângulo medial do olho (Figura 1.5)
Esse pequeno músculo se extende dorsalmente desde a fáscia da região frontal até o ângulo medial do olho. Levanta a pálpebra superior.

 

M. levantador da pálpebra superior
Embora funcionalmente atue sobre a pálpebra, por sua inervação, sua origem embrionária e sua topografia é mais correto considerá-lo no grupo de Músculos extrínsecos do globo ocular
.

Músculos da região frontal

São inervados pelo nervo aurículopalpebral (ramo do nervo facial).
 

M. frontal (Figuras 1.1, 1.2, 1.6)
Localiza-se superficialmente na região frontal, entre a cartilagem escutiforme e a pálpebra superior. Movimenta rostralmente a cartilagem escutiforme, ou move a pele da região frontal, levantando a pálpebra superior. Pode, portanto, atuar, além sobre a pele frontal, nas pálpebras e nas orelhas.

M. occipital (Figura 1.6, 1.7)
Mais profundo que o anterior, é revestido pelo músculo interescutular. Dispõe-se sobre o músculo temporal, entre a parte caudal da crista sagital externa e a fáscia nasofrontal. Atua tensionando a fáscia da região.

Músculos da orelha

Constituem um grande número de músculos que convergem de várias fontes externas à orelha para se inserirem no pavilhão auricular. Assim, quando agem movem a orelha em várias direções, tanto com a finalidade de expressão facial quanto para captar melhor os sons. Vários músculos possuem inserções na cartilagem escutiforme, que se localiza sobre o músculo temporal rostralmente à orelha (Figuras 1.8, 1.9). De acordo com sua localização os músculos auriculares se classificam em quatro grupos: rostral, dorsal, ventral e caudal. Além disso, considera-se um quinto grupo formado por pequenos músculos intrínsecos à orelha. Diversos ramos do nervo facial são responsáveis pela inervação: nervo auricular caudal (músculos do grupo caudal), ramo cervical (músculo parótidoauricular), e ramo auricular rostral do nervo aurículopalpebral (músculos do grupo rostral).

Grupo rostral. Estende-se entre a cartilagem escutiforme, ou o crânio, e a orelha.

Mm. escutuloauriculares superficiais (Figuras 1.3, 1.6, 1.7)
São vários músculos pequenos que se situam entre a cartilagem escutiforme e o pavilhão auricular. São rotadores internos do pavilhão auricular e direcionam a concha auricular rostromedialmente.


Mm. escutuloauriculares profundos (Figura 1.7)
Apresentam tamanho reduzido, extendem-se entre a face interna da cartilagem escutiforme e a base do pavilhão auricular. São rotadores externos, e direcionam a concha auricular caudalmente.

M. zigomáticoauricular (Figuras 1.1, 1.2)
Separa-se do músculo frontal e se une à borda rostral do pavilhão. É um rotador interno e direciona a cartilagem auricular rostralmente.

Grupo dorsal. Estende-se da linha dorsal média e a cartilagem escutiforme ou, alternativamente, o pavilhão auricular.

M. interescutular (Figura 1.10)
Dispõe-se transversalmente unindo ambas as cartilagens escutiformes, as quais se fixa. Continua, dorsalmente, com o músculo frontal.


M. parietoescutular (Figura 1.7)
Une o osso parietal (crista sagital externa) com a cartilagem escutiforme. Fixa a cartilagem.

M. parietoauricular (Figura 1.7)
Une o osso parietal (crista sagital externa) com a concha auricular. Atua levantando a orelha.

Grupo caudal. Dispõe-se na região retroauricular, situado entre a rafe dorsal média do pescoço e a cartilagem escutiforme ou, alternativamente, no pavilhão auricular.

M. cervicoescutular (Figuras 1.10, 1.11)
Desde a linha cervical média até a cartilagem escutiforme. Fixa a cartilagem e a direciona caudalmente.

M. cervicoauricular superficial (Figuras 1.6, 1.10)
É caudal ao músculo anterior. Desde a linha cervical média chega ao pavilhão auricular. Atua levantando a orelha.

M. cervicoauricular médio (Figuras 1.7, 1.11)
Situa-se profundamente ao músculo anterior. Desde a protuberância occipital externa e se dirige até a base do pavilhão auricular. É um rotador externo da orelha e a movimenta caudalmente.

M. cervicoauricular profundo (Figura 1.11)
Situa-se profundamente ao músculo anterior. Desde a protuberância occipital externa, se dirige até a base do pavilhão auricular. É um rotador externo da orelha e a movimenta caudalmente.


Grupo ventral. Localiza-se na região parotídea.

M. parótidoauricular (Figuras 1.2, 1.3)
É bem superficial. Origina-se na fáscia cervical na altura da região laríngea, passa sobre as glândulas salivares mandibular e parótida e se insere na parte ventral do pavilhão auricular. Deprime a orelha.

M. estiloauricular (ou m. mandíbuloauricular) (Figura 1.8)
Não é constante. Origina-se na região do ramo da mandíbula, de onde se dirige dorsalmente até ao pavilhão auricular. Está coberto pela glândula parótida. Atua encurtando o meato acústico externo.

Grupo de músculos intrínsecos (Figura 1.3). Esses pequenos músculos estão dispostos no espaço existente entre as extremidades da cartilagem auricular, externamente à cavidade da concha que se encontra na parte proximal da orelha. Atuam estreitando a entrada da cavidade conchal, porém possuem pouca importância funcional. Alguns dos componentes são os músculos da hélix, o músculo do trágus e o músculo do antitrágus, entre outros. Dispõe-se em conjunto e não os diferenciaremos individualmente.

Músculos da Cabeça

Músculos Faciais

Platisma (Fig. 1.1)

M. esfíncter profundo do pescoço (Fig. 1.1, 1.2)

Músculos dos lábios e do nariz

M. orbicular da boca (Fig. 1.2)

M. bucinador (Fig. 1.3, 1.12)

M. levantador nasolabial (Fig. 1.1, 1.2)

M. levantador do lábio superior (Fig. 1.4)

M. canino (Fig. 1.4)

M. zigomático (Fig. 1.1, 1.3)

Músculos das pálpebras

M. orbicular do olho (Fig. 1.1, 1.4, 1.5)

M. retrator do ângulo lateral do olho (Fig. 1.1, 1.4, 1.5)

M. levantador do ângulo medial do olho (Fig. 1.5)

M. levantador da pálpebra superior

Músculos da região frontal

M. frontal (Fig. 1.1, 1.2, 1.6)

M. occipital (Fig. 1.6, 1.7)

Músculos da orelha (Fig. 1.8, 1.9)

Grupo rostral.

Mm. escutuloauriculares superficiais (Fig. 1.3, 1.6, 1.7)

Mm. escutuloauriculares profundos (Fig. 1.7)

M. zigomático-auricular (Fig. 1.1, 1.2)

Grupo dorsal

M. interescutular (Fig. 1.10)

M. parietoescutular (Fig. 1.7)

M. parietoauricular (Fig. 1.7)

Grupo caudal

M. cervicoescutular (Fig. 1.10, 1.11)

M. cervicoauricular superficial (Fig. 1.6, 1.10)

M. cervicoauricular médio (Fig. 1.7, 1.11)

M. cervicoauricular profundo (Fig. 1.11)

Grupo ventral

M. parótidoauricular (Fig. 1.2, 1.3)

M. estiloauricular (Fig. 1.8)

Grupo de músculos intrínsecos (Fig. 1.3).